Doramas Entretenimento K-Drama
/

Less Than Evil (Bad Detective) – K-Drama

Acho que estou mesmo numa fase dramas mais pesados. Viciei em Children of Nobody como vocês bem sabem e não parei por aí. Maratonei Sky Castle recentemente e logo venho postar a resenha, mas também terminei outro que foi surpreendente, ele é Less Than Evil.

Less Than Evil é a versão coreana da série original britânica Luther, que tem 5 temporadas e ainda está em exibição pela BBC. Como não vi a versão original, não posso fazer comparativo. Por isso este post, é um texto somente com minhas impressões sobre Less Than Evil, a versão coreana. Lembrando que o drama é recomendado para maiores de 18 anos por ser ter muitas cenas pesadas.

 


Less Than Evil
(Bad Detective)
나쁜 형사
Episódios: 32 | Emissora: MBC | Ano: 2018-2019

Sinopse: Woo Tae Seok é um detetive veterano , ele se concentra apenas em resolver casos, e oscila em uma linha entre o bem e o mal. Woo Tae Seok cruza caminhos com uma psicopata, mas ele é incapaz de prendê-la devido à falta de provas. A mulher eventualmente ajuda Woo Tae Seok a resolver outros casos.

Less Than Evil, também conhecido como Bad Detective, é um drama de investigação e suspense psicológico que acompanha a vida de um detetive um tanto intrigante, já que ele está disposto a quebrar regras a fim de capturar criminosos.

O drama começa com cenas de arrepiar logo nos primeiros episódios. Não é a toa que a censura é de 18 anos. Sangue, tortura, assassinato, cenas como um homem tendo prazer ao arrancar dente por dente de uma mulher. – Agoniada só de lembrar. O primeiro vilão apresentado é macabro, nosso protagonista é um detetive que está na linha entre o bem o mal, além disso, nos deparamos com uma personagem que chama atenção à primeira vista, uma mulher interessante que parece saber demais sobre algo que não fazemos ideia do que é. Less Than Evil chega assim, conquistando mesmo quem adora um drama investigativo.

Em 2005, houve o assassinato de uma estudante que foi brutalmente esfaqueada. Woo Tae Seok (Shin Ha Kyun) era um policial na época e estava trabalhando nas buscas na cena do crime. O crime foi denunciado à polícia por outra garota, que durante a noite volta à cena do crime. Tae Seok a encontra e persegue-a a fim de descobrir os motivos dela estar ali. Logo ele percebe que a garota não podia ser a assassina, mas ela sabia sobre o culpado. Por isso, ele insiste para que ela testemunhe e eles consigam prender o verdadeiro criminoso. A garota tomada pelo medo e depois de muita relutância acaba aceitando, mas ela pede que o policial Woo Tae Seok a proteja e não mostre o rosto dela. Infelizmente um incidente acontece e ela acaba sendo exposta ao assassino, logo ela desaparece e Tae Seok, devastado, não faz ideia do que aconteceu.

Woo Tae Seok agora é um detetive veterano que praticamente não tem vida além da polícia. Seu casamento não vai bem, sua esposa quer o divórcio justamente pelo fato dele só se dedicar a pegar criminosos, e ainda ele carrega o sentimento de culpa pelo incidente do passado. Tae Seok fica encarregado de um novo caso quando se depara com dificuldades pra resolvê-lo e vai em busca do promotor responsável que é Jang Hyung Min (Kim Gun Woo), mas Tae Seok o reconhece na hora, ele na verdade é Jang Seon Ho, o suspeito de assassinato da estudante em 2005 e agora tudo que ele quer é “brincar” com o Tae Seok.

Enquanto isso, o detetive encontra uma repórter chamada Eun Sun Jae (Lee Seol), ela parece saber muito sobre ele, sobre seus métodos investigativos. Ela é perspicaz, ousada e curiosamente misteriosa, ainda mais quando vira suspeita de assassinato. E a partir daí a trama vai alternando em cenas do presente, casos aleatórios de crimes (mas que ainda tem ligação com a mensagem do drama) e lembranças do incidente que trazem ligações aos acontecimentos do presente.

O roteiro é tão bem escrito, nos mantém presos aos casos e aos personagens. Não é somente um drama sobre casos de crimes diferentes em todos episódios, mas há uma história como pano de fundo, e que história! Do começo ao fim os personagens nos cativam, eles são ambíguos, suas histórias são emocionantes e envolventes justamente por abrangerem incidentes infelizes,uma culpa incontrolável, muito dor e vingança. É um misto de emoções que combina com o tom obscuro da narrativa e o resultado é sensacional.

Talvez as coisas pareçam um tanto óbvias a partir de determinado momento na trama, mas o que verdadeiramente nos prende não é saber quem são os “culpados” ou um vilão em si, e sim toda a manipulação das mentes dos serial killers, há muito sobre como eles pensam, sobre seus comportamentos, seus motivos e escolhas. Assim como qualquer um de nós está sujeito a quebrar a linha tênue entre o bem e o mal. Também trata sobre questões sociais e corrupção.

Woo Tae Seok virou um dos meus detetives preferidos por ser esse tipo de pessoa que não mede consequências para fazer aquilo que acredita ser o certo. Ele burlou regras, foi cruel, desejou a morte de pessoas e outras coisas mais, mas quem sou eu pra julgar alguma coisa? Na verdade, até gostei dessa personalidade e por isso o considero sim um ser humano NORMAL, que quer os criminosos na cadeia e a justiça sendo feita.

E pra você que está lendo isso pode ser um absurdo, mas também adorei a personagem Eun Sun Jae, uma psicopata e vilã que foi simplesmente a rainha desse drama. Eu poderia dizer tanto sobre os plots que envolvem ela, mas é spoiler demais. Só sei que Eun Sun Jae me conquistou desde sua aparição no primeiro episódio até o último. Ela tem uma mente genial e uma personalidade complexa. Além disso, ela é linda demais, MUITO MESMO. A atriz Lee Seol brilhou demais nessa personagem. Depois que já havia começado o drama, fui descobrir que ela foi escolhida depois de audições com mais de 300 candidatas, ou seja, talento que chama, né?

A repórter Eun Sun Jae e o detetive Woo Tae Seok formam uma dupla tão fenomenal e cheia de química, e eu digo isso sobre uma dupla de profissionais de mentes brilhantes mesmo, uma dupla de personalidades parecidas. Há quem tenha desejado um romance entre eles, e eu não vou mentir, vi sair faíscas em algumas cenas em especial. Ela muito sedutora, ele também, rostos muito próximos, uma atmosfera repleta de tensão, close nas mãos, nos olhos…Diretor, por que você fez isso? Meu coração é fraco. Eu gostei tanto dessas cenas porque deram ainda mais intensidade para o relacionamento deles.

Desculpa o surto, mas preciso: Que dupla! AMO DEMAIS! Que mulher maravilhosa! ❤
Pronto, passou. Mentira, não passou. Mas vou me conter. haha

Jeon Choon Man (Park Ho San) é outro detetive na mesma delegacia do Woo Tae Suk, mas Choon Man é da parte corrupta. E cumpriu seu papel de nos deixar com raiva e frustrados já que ele é um quase antagonista no drama. “Quase” porque ele só ajudante mesmo. Park Ho San é um ator que adoro até sendo vilãozinho ele tem um carisma que ninguém tem. Além disso rejuvenesceu uns bons anos nesse papel, nem sei explicar. Sei que fiquei com vontade de vê-lo em um personagem como do Woo Tae Seok, um protagonista de preferência. Coreia, providencia isso, por favor?

O vilão macabro que mencionei no começo é Jang Hyung Min (Kim Gun Woo). Ele não é um antagonista qualquer, ele é um monstro mesmo e tem 7 vidas. Eu acho que a única coisa que eu tenho pra reclamar do roteiro está relacionada à ele, e é isso mesmo, o moço não morre nunca. Acontecem coisas tão absurdas que é morte na certa, mas ele aparece vivo de alguma forma. Mas ok. Tudo bem, a gente finge que não aconteceu e continua curtindo o drama e odiando ele mais ainda. Acho que peguei raiva até do ator, tadinho. haha

A equipe do Woo Tae Seok é ótima: Chae Dong Yoon (Baro), Shin Ka Young (Bae Da Bin), Ban Ji Deuk (Bae Yoo Ram) e Lee Moon Ki (Yang Jae Young), praticamente o alívio cômico da trama.

 

Em Less Than Evil, a direção é bem trabalhada, com ângulos de câmeras, cores e detalhes que me encantaram ainda mais. Os ângulos, por exemplo, eram muito usados em cenas conflitantes como perseguições, capturas de bandidos, nas cenas de tensão entre o Woo Tae Seok e a repórter Eun, e até mesmo quando os personagens estavam em conflito psicológico. Adorei o uso das cores, principalmente quando se trata da nossa dama de vermelho. A MBC está investindo nesses dramas “mais pesados” e eu estou amando o resultado.

E depois de tanto eu dizer que esse drama é sobre assassinos, que é violento, intenso, pesado… Vocês ainda acreditam se eu disser que é bonito? Pois é mesmo, a mensagem e o desfecho também, por mais tenso que seja, me emocionei, e não foi pouco. ❤

 

 

Curiosidades: Shin Ha Kyung ganhou o prêmio de Melhor Ator e a Lee Seol de Melhor Atriz Novata no MBC Drama Awards de 2018. Além disso, o drama liderou a audiência das segundas e terças durante algumas semanas de sua exibição.

 

Onde Assistir?

Tem Less Than Evil legendado no Kingdom Fansub.

 

Até logo! Beijos, Mari. 😘

Compartilhe ♥

1 comentário em “Less Than Evil (Bad Detective) – K-Drama

  1. QUE RESENHA MARAVILHOSA <3
    Também estou atolada até o pescoço nesta fase de dramas mais pesados e é bom demais da conta. Less Than Evil me conquistou de uma maneira… É como uma sinfonia sombria: crua, amarga, mas elegante. E eu me apaixonei completamente pela Eun Sun Jae, afinal eu não resisto a uma boa vilã e não é sempre que vemos uma MULHER e PSICOPATA dividir os holofotes (nesse tipo de drama) com o protagonista ao invés da tipica "boa moça". Pois geralmente tem esse limite que o mocinho não pode cruzar entre os laços do bem e o mal, que torna impossível o desenvolvimento de um relacionamento real com o vilão – que acaba se tornando descartável. Porém aqui vemos o Woo Tae Seok se misturar legal a ponto de quebrar esse estigma e levantar duvidas quanto as suas ações; assim como o seu relacionamento (amizade) com a Eun Sun Jae.
    É isto, tem uma lista enorme de pontos a serem discutidas e enaltecidas sobre esse drama, óbvio que sim, mas se fosse falar de cada um deles passaria dias aqui. Mas só para encerrar: Less Than Evil é uma obra de artes em todos os aspectos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *